segunda-feira, 7 de julho de 2008

Um conto e um ponto


Esse ciclo vicioso de falar coisas bonitas e depois fugir, sumir em meio à euforia é o que mais me dói, literalmente. Não compreendo porque falaste em eternidade, em amor, em vida, associando essas coisas tão fortes comigo. Ironia? Não se sabe. Mas ao menos tu te iludiste com um amor que não existia em ti e conseqüentemente me fez acreditar na veracidade desse sentimento fajuto, que permaneceu apenas no papel.
Você não sabe, mas eu já não acredito mais em contos, como esse. Você tentou brincar com as palavras e eu preferi um ponto.
Não nego, essa falta me corrói. Mas é uma angustia real, portanto melhor do que a ilusão das tuas promessas falsas. Não pense que eu te quero mal, ou que eu – assim como tu – falei de amor em vão, essa palavrinha antiga e sagrada. Se falei que lhe amava, que precisava muito muito de você provei com as minhas ações, sem esperar nada. Sempre fui incondicional.
Recordo de uma primeira vez em que falara que cuidaria e resistiria a tudo e a todos, me questiono se fui tão errada em acreditar que tu eras capaz de ser verdadeiro - nessa já segunda chance.
Brincaste com a palavras, porém esqueceste que sou aliada a elas.
Cara, eu estou com a consciência limpa, o coração um pouco apertado de saudade - confesso -, mas eu sinto que eu estou vivendo. Esquecendo do quão quis acertar enquanto tu insistias em errar. Let it be, tu perdeu! Pelo menos essa certeza eu tenho: o erro não foi meu!

3 comentários:

Lari disse...

Jéssi, realmente eu fico sem palavras, cada vez tu me surpreende mais, quando eu acho que teu texto é o melhor de todos, vem você e faz um melhor ainda!
sou tua fã amiga!
continue escrevendo, e certamente um dia eu ainda vou ler um livro escrito por você!
te admiro muito!
beijos te amo!

Anônimo disse...

Realmente temos um gigantesco talento aflorando em nossa cidade!
Seus textos são comparáveis a crônicas de grandes escritores.
Se você faz isso agora nesta tenra idade, imagine como serão seus textos quando atingir ou avançar para um estágio superior após uma maturidade! (Não estou dizendo que você é imatura, obviamente, mas somente que com o passar do tempo as pessoas amadurecem e aperfeiçoam suas idéias).
Continue assim e chegará muito além do que você imagina!
"Me dá um autógrafo?" hehehehehe
Abraço.

Mariane Pizzi Viana disse...

jé!!

cada dia me surpreendo mais com essa forma linda com que você escreve seus textos, algo além , que toca lá no fundo do coração, impressionante!
vocação é diferente de talento, pode-se ter vocação, mais quem tem talento sempre irá mais longe,pois o talento nasce com a gente e é isso que eu vejo em você.

continue sonhando, nos mostrando o que é o amor em si!! acho que precisamos disso muito mais do que pensamos!


te amo flor!!