sábado, 5 de setembro de 2009

Tente mais tarde (ou deixe recado)


Alô? Alguém pode me ouvir? Juro que não me estenderei por mais de 5 minutos...

Ah, oi! Que bom, Tu estás aí. O que eu queria Lhe falar começa assim:

Minha vida tem desabado, e nem pilares maciços de 22 quilates à lá Burj tem suportado minha estrutura. Não, não estou chorando, nem nada. Só estou pensando sem rumo e precisava dividir com alguém o meu processo mental. Sabe, tenho visto a vida como uma folha de outono, que seca, fica sem cor, de repente se desfaz e o vento leva pra longe cada pedacinho do que vivenciei. As coisas estão chegando ao fim, mas eu continuo ótima, e incomodando pra caralho (com o perdão da palavra). O fim está para o começo assim como eu estou para a vida.
E a minha vida nem começou, é apenas um ensaio, não é? Aqueles ensaios em que você se autocrítica o tempo todo, e consegue enxergar os erros fácim. Pois é, eu sei que Tu já não estás entendo da missa a metade. E se quer saber, nem eu tenho entendido mais. Fico pensando na minha covardia diante da beleza desse mundo florido, fico pensando na minha preguiça pra recomeçar, fico pensando se devo dizer ‘amém’ ou ‘que assim seja’ pra terminar essa conversa. Bom, pode ser que diga ‘amém’ para terminar minha agonia. E olha, agosto já passou...

Sua chamada está sendo encaminhada para a caixa de mensagens e estará sujeito a cobranças após o sinal.

2 comentários:

Gustavo disse...

Oi amoreca linda! Não sei oque dizer do texto, to quase chorando de novo. hahaha. Mentira é quase verdade se fosse alguns dias atrás, mas esse texto me comoveu, muito bom! Tu escreve muito bem e não é novidade eu dizer isso, espero ler coisas alegres daqui pra frente, l'amour eu gosto demais!
Te amo minha vidona! Beijão do teu negão branco pra ti minha nega branca! Hahaha

Cindi disse...

Eu amei esse texto!! Escreveu pra mim??? hauhauha Vai pro meu perfil!hehhe Tinha que ser minha irmã, pra escrever tão bem assim! BJuss